quinta-feira, 19 de outubro de 2006

Alderman e a chuva

"Você é a tristeza da minha cabeça calva
a melancolia das minhas longas unhas:
você vai me ouvir no reboco das suas paredes
no ranger noturno do seu assoalho"

Hoje me vieram à cabeça essas linhas do Natan Alderman
(cujo nome não seria "Nascido Outro Homem" em etimologuês renatiano?)
Minhas paredes ainda estão de pé, e assoalhos rangentes seriam encobertos pelo deslizar de unhas felinas no chão escorregadio e pela maldita obra no terreno ao lado.
Mas me apareceram cabelos brancos...

Talvez seja efeito da chuva,
e pra ela tem esse Fernando Antonio de Nogueira Pessoa:

Cai chuva do céu cinzento
Que não tem razão de ser.
Até o meu pensamento
Tem chuva nele a escorrer.

Tenho uma grande tristeza
Acrescentada à que sinto.
Quero dizer-ma mas pesa
o quanto comigo minto.

Porque verdadeiramente
Não sei se estou triste ou não.
E chuva cai lentamente
(Porque Verlaine consente)
Dentro do meu coração.


E, puxa, verdadeiramente não sei.

Mas porra verlaine!
Assim a umidade no corredor do fim da casa vai pondo grelado nas paredes, e aí já viu.

4 intromissões:

leitora disse...

Renatan, aposto que você dará um belo cinzento unhador de assoalhos

NeuralNoise disse...

Na melhor das hipóteses eu fico apenas surdo.

Anônimo disse...

nathan alterman, com t.
alter= outro
man= homem
;-)

NeuralNoise disse...

é, a etimologia veio da grafia certa, com t. Engraçado, Alder Man é um personagem do Sandman, um xamã da Lapônia que vira um urso em definitivo para escapar das forças automaticamente geradas no reino de destruição quando sonho e delírio decidem procurar o irmão,,,